CCT debate acesso à internet no país

O Brasil é a oitava maior economia do mundo, mas, quando se trata de tecnologia, cai para a 69ª posição. Segundo o Índice Global de Inovação, a baixa colocação ocorre porque apenas 54% da população têm acesso à internet. Para debater as tendências e desafios do setor a Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) promoveu nesta quarta-feira (22) audiência pública com especialistas.

O senador Jorge Viana (PT-AC) defendeu o avanço na banda larga para garantir ao cidadão o direito à conexão de qualidade.

– Para que a gente possa ter uma internet de melhor qualidade, uma comunicação de melhor qualidade, uma telefonia móvel de qualidade como estabelece a lei e ao mesmo tempo a gente possa ter uma segurança de infraestrutura que é tão necessária – afirmou.

Conselheira da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, Flávia Guimarães defendeu que falta maior atuação e investimento do governo na ampliação do acesso à internet, principalmente nas classes sociais C, D e E e também nas áreas rurais.

– Infelizmente as políticas não saem do papel. É falta de recurso público? Na nossa avaliação, porque nós pagamos esse tributo, não é, porque a gente tem bilhões recolhidos a serem utilizados para universalização do acesso à internet.

O representante do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações, Alberto Paradisi, destacou que o mundo passa por uma revolução tecnológica e, por isso, a internet hoje é tão fundamental.

– Na verdade, o futuro vai ser muito mais pautado pela tecnologia, porque nós estamos num momento de transformação, que integra pessoas, processos, dados e assim por diante.

A Política Nacional de Banda Larga foi o tema escolhido pelo colegiado para ser debatido ao longo do ano pela comissão.

Com informações da Rádio Senado

Agência Senado

Jefferson Rudy/Agência Senado

Deixe uma resposta